Trocando Ideias: Aprendizagem por Roteiros de Pesquisa

Trocando Ideias: Aprendizagem por Roteiros de Pesquisa

Uma abordagem que proporciona aprendizagem ativa e personalização do ensino é o uso de roteiros de pesquisa, que têm inspiração nos planos quinzenais e diários da Escola da Ponte, em Portugal. A ideia, em geral, é que os alunos tenham um plano de atividades e produções para desenvolver com autonomia.

Os roteiros são criados por professores de diferentes disciplinas, com base nas competências e habilidades que precisam ser desenvolvidas, de acordo com o currículo da escola. Os instrumentos de estudo são compostos por perguntas ou tarefas que devem ser respondidas ou desenvolvidas pelos alunos.

Essa abordagem possibilita maior interdisciplinaridade, aprofundamento por meio de atividades e trabalhos e diversificação de fontes de pesquisa – livro didático, jornais, internet, apps, etc. Os alunos têm autonomia para escolher em qual ordem preferem realizar as atividades e os professores atuam como orientadores em caso de dúvidas. Juntos, educador e estudante organizam o plano de estudo e definem quais temas de roteiro serão priorizados para garantir a aprendizagem adequada do estudante.

No Brasil, uma referência no uso de roteiros é a EMEF Desembargador Amorim Lima, em São Paulo. Os espaços físicos foram alterados para proporcionar essa experiência de aprendizagem – duas salas tiveram suas paredes derrubadas e abrigam os alunos dos Ciclos I e II, que se sentam em mesas de quatro lugares e trabalham em seus objetivos (em grupo ou individuais), enquanto cerca de cinco professores-tutores circulam entre as mesas orientando e tirando dúvidas.

Fonte: Site EMEF Desembargador Amorim Lima (https://amorimlima.org.br/institucional/projeto-politico-pedagogico/)

Nenhum comentário

Postar comentário

X